Artigos
O que escrevemos

Os 5 Elementos e as 5 Transformações

Cheiros e Feng Shui

Embora os cheiros não estejam diretamente ligados com o Feng Shui, estão-no intimamente ligado com as energias dos espaços.

Um espaço com bom aroma, que tenha um cheiro agradável, facilmente remete e estimula energias mais benéficas.

Já os espaços com maus cheiros, tal como a podre, a esgoto, a lixo, entre outros, indicam-nos de que algo não está bem na saúde daquele ambiente. E aqui sim, entra o Feng Shui, que analisa esse sinal, o tipo de cheiro e identifica o que não está bem naquele local para poder resolver a questão. Por exemplo, pessoas com vidas muito estagnadas, em determinadas zonas das suas casas têm um ar mais pesado e denso, enquanto que pessoas mais alegres e divertidas têm em determinadas zonas um cheiro mais fresco e mais leve.

Também se podem trabalhar as energias de um espaço através dos cheiros representativos dos 5 elementos que sejam necessários em determinada divisão, ou mesmo estimular áreas da nossa vida através de aromas.

Os cheiros também têm a vertente dos perfumes. Sabia que se pode escolher um tipo de cheiro de perfume consoante a sua energia?

Como é que pequenas coisas podem influenciar tanto a nossa forma de estar?
Esta é uma pergunta que muitas pessoas me têm colocado quando lhes falo de alguns casos, que para elas não passavam de meras coincidências.
Durante o follow up de uma cliente em que a mesma me retratava o seu estado actual, falou-me que ultimamente sentia a tensão alta, além de que na semana em causa estava extremamente ansiosa e desconcentrada, ao ponto de não conseguir ter um pensamento organizado e fluído. O que se passava com esta minha cliente eram duas situações distintas.

Na edição anterior mencionou-se que entre o Yin e Yang existem cinco estágios de energia e que estes estão associados a elementos. Estes relacionam-se entre si, formando ciclos, nomeadamente o ciclo construtivo e o ciclo destrutivo ou de controlo.
Quando os elementos se relacionam num ciclo construtivo, os habitantes obtêm harmonia e bem-estar. Quando se relacionam destrutivamente, a vida dos ocupantes tende a ser desequilibrada.
Vejamos o seguinte exemplo: