Artigos
O que escrevemos
Falando consigo próprio

Quando fala para si mesmo, nesse diálogo interior, que “Eu” costuma usar? E como? Normalmente as pessoas não falam com a sua divindade, mas para os aspectos mais superficiais da sua personalidade quotidiana. E muitas vezes passa por um fluxo de medos, queixas e repetição mecânica de coisas velhas e passadas. Se falarmos dessa mesma forma com outro ser humano, e quem sabe se teremos o direito de incomodar ou invadir os outros com as nossas preocupações, teríamos que lhe pedir desculpas pelo teor do discurso.

Aprender a falar correctamente com o nosso “Eu” e a ouvir o que ele tem para nos dizer, é uma tarefa espiritual.
Ressentimentos do passado e ansiedades sobre o futuro, não criam uma boa conversa. A reflexão serena, construtiva e sem mágoas, com forte dose de optimismo e determinação, são a ponte por onde atravessamos as correntes da ribeira dos infortúnios.
Converse com o seu “Eu” com amor, provoque-o e estimule-o. Seja uma boa ou bom conselheiro para a sua mente, ensine-a bem, a ter pensamentos positivos, de modo a que o diálogo seja útil e a conversa… interessante.
Ame sua mente e seja feliz!

X

sofialobocera.com

No right click