Artigos
O que escrevemos

Já lá vão os tempos em que as famílias sentiam o verdadeiro espírito do Natal. Em que a família se juntava toda à mesa, trocavam-se palavras de amor e gestos de carinho. A época passava-se com a família reunida, com os amigos mais chegados. Uns cozinhavam, outros punham a mesa, outros enfeitavam a casa e as crianças brincavam. As cidades, mas sobretudo as vilas e aldeias enchiam-se de festividades e as famílias rumavam para ver todos aqueles eventos, para confraternizarem.

Com o passar dos tempos e apesar de serem mais curtos os caminhos e mais breves as deslocações,  surgiram outros apelos e outros compromissos.  As famílias foram preenchendo os seus dias com outros tipos de “festividades” acabando por pôr de lado todas aquelas tradições que tanto enchiam os seus corações. O percorrer da aldeia em passadas lentas, vagarosas, o cumprimento ao Sr. Abílio na farmácia, uma anedota, brejeira que baste, com o Sr. Prior, a indispensável visita à barbearia do Sr. Anacleto, tertúlia onde se resolviam todos os problemas do país e o cheiro, o cheiro dos fritos e dos assados inundando as ruas e atacando as narinas esquecidas. Os Natais passaram a ser mais reservados, por vezes mais apressados apenas com a família disponível, com pouco afeto e talvez mais cerimónia, uma correria às lojas para comprar os presentes, mas, curiosamente, menos simbólicos e mais distantes.

 

Com tudo isto o espírito natalício foi sendo invadido por stress, angustia, consumismo e hoje em dia há até quem já diga que detesta esta época!

Mas será que esta época é apenas presentes, obrigações, falta de sentimento e valores?

O Natal é exatamente a plenitude, o juntar de quem se ama, o ESTAR em família! Os tempos implicam uma melhor gestão, o que de certa forma pode ajudar a restabelecer o espírito natalício que se perdeu.

É importante a centrar-se na sua família, nos seus amigos, viver a rua e desfiar memórias. Na consoada todos podem ajudar e em vez da troca de grandes presentes, porque não trocar o prazer da presença de todos e cada um?

Pense nisto e tenha um Natal mais próximo, mais afetivo, cheio de Paz, alegria, magia e harmonia!

X

sofialobocera.com

No right click